Oyo Hotels & Homes quer passar Accor no Brasil até o final de 2020

Oyo Hotels & Homes - expansão Brasil_capaQuarto do OYO Urupema Hotel, recém-convertido pela rede indiana

O LinkedIn continua agitado. Escreva Oyo Brasil na busca e verá uma lista de profissionais contratados, vagas abertas e uma estrutura se formando. Com quase 40 unidades convertidas, a empresa indiana se estrutura para acelerar essa expansão, hoje concentrada no eixo Rio-São Paulo. Pelo que foi apurado pela reportagem do Hotelier News, a meta é audaciosa: ultrapassar a Accor e se tornar, em número de quartos, a maior operadora de hotéis no Brasil até o final de 2020. Vale destacar que, recentemente, a companhia se tornou a terceira maior cadeia hoteleira global.

Hoje, segundo números do FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil), a Accor tem 258 empreendimentos, somando quase 45 mil quartos. A empresa francesa costuma falar que abre uma unidade por semana. Completam o top 3 no país a Atlantica Hotels (109 unidades/19 mil apartamentos) e Nobile Hotéis*(60/11,7 mil habitações).

A Oyo Hotels & Homes ainda está longe dessa conta, mas a agressividade da empresa no mercado chama atenção. Basta ver que, em poucos meses, já soma quase 40 hotéis (há 33 no site, mas esse número pode ser maior). A movimentação da rede indiana no mercado de trabalho visa acelerar esse crescimento. A companhia procura agora regional managers, que cuidariam de cada região do país, para finalmente sair do eixo Rio-São Paulo e dar escala a essa expansão.

Oyo Hotels - Henrique WeawerWeaver tem o perfil ideal: estudo no exterior e experiência em tecnologia

Em geral, as negociações com os proprietários de hotéis são rápidas. Do primeiro contato até a assinatura do contrato de franquia, passam-se pouco mais de duas semanas. O hotel ganha roupas de cama com as cores da Oyo, recebe obras pontuais e passa a utilizar a plataforma da empresa, que controla toda distribuição do empreendimento. Já a operação da unidade continua nas mãos do investidor. 

Oyo Hotels & Homes sem hoteleiros

Além de uma equipe jovem, outra coisa chama atenção no time que a rede indiana vem montando no Brasil. Nos cargos de liderança, por exemplo, a escolha recaiu em executivos com experiência na área de tecnologia. Contratado como country manager, posição mais alta no país, Henrique Weaver veio do Uber, além de ter atuado na McKinsey. Já o head de Expansão teve passagem pelo Cabify, enquanto o diretor de Operações também trabalhou no Uber. Ou seja, há pouca gente de hotelaria no comando da empresa por aqui.

A escolha por profissionais com esse perfil não é despropositada. De certa forma, o trabalho é parecido: em vez de mapear e captar “motoristas”, “franqueados” ou “pontos de venda”, busca-se hotéis para ingressar na rede. Muda o setor de atuação, mas a tecnologia aproxima as expertises dos executivos à realidade hoteleira.

Se a Oyo atingirá seu objetivo só o tempo dirá, mas a meta está lá definida para o time de BD (Business Development). Em países como China, Malásia e Índia a expansão da empresa foi muito rápida. Como a hotelaria independente no país é numerosa, é uma possibilidade que não se pode descartar.

* A Nobile Hotéis não é associada ao FOHB. Os dados foram passados pela rede hoteleira

(*) Crédito da capa: reprodução/Site Oyo Brasil

(**) Crédito da foto: Divulgação/Uber

Comentários