Evento debate os desafios da adaptação da hotelaria à LGPD

LGPD - evento Morkoski & AssociadosEvento provocou o debate entre todos os participantes sobre o tema

Todo mundo já passou por essa situação: aceitar condições de privacidade de um site sem se dar ao trabalho de ler o que estava concordando. Das redes sociais aos bancos, muitas empresas fizeram atualizações recentes em suas cláusulas. Tudo por conta do GDPR (General Data Protection Regulation), marco regulatório de proteção de dados da UE (União Europeia). Pois bem, uma nova leva deve ocorrer em breve, já que a versão brasileira do GDPR entra em vigor. Como se adaptar, riscos e desafios para o mercado brasileiro, em especial na hotelaria, foram debatidas, hoje (13), no evento LGPD na Hotelaria.

Gratuito e promovido pelo Morkoski & Associados, o encontro reuniu advogados, especialistas em segurança da informação e hoteleiros para um grande bate-papo sobre a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). Sancionada pelo ex-presidente Michel Temer no ano passado, a nova legislação entra em vigor, inicialmente, em agosto de 2020. Seu objetivo principal é aumentar a privacidade de dados pessoais e o poder das entidades reguladoras para fiscalizar organizações. Portanto, se seu hotel coleta ou utiliza qualquer tipo de dados de pessoas físicas, como clientes, colaboradores e fornecedores, saiba que a LGPD se aplica ao seu negócio.

A lei chega também em um momento propício. Casos de vazamentos, como da Marriott e do Amadeus, e de escândalos que envolvem o uso indevido de informações pessoais, caso do Facebook, trouxeram recentemente mais luz sobre o tema. Ana Biselli Aidar, ex-diretora executiva do FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil) e docente no Senac-SP; Michelle Morkoski, mediadora e sócia da Morkoski & Associado; e Norberto Gomes, CEO da Vik Services, comandaram os debates que, na verdade, foi um grande bate-papo entre os participantes. Profissionais do Hotel Unique, Blue Tree e Estanplaza, entre outros, estiveram presentes.

LGPD e seus gaps

Embora entenda que a sociedade civil tenha, de certa forma, “perdido o bonde” para participar mais ativamente da elaboração do texto final da lei, Michelle acredita que a LGPD é bem estruturada. Ainda assim, como em muitas outras normas, existem pontos em que possibilidades de discussão estão abertas. “O conceito de privacidade por si só é bastante subjetivo. Pode ser para mim e não para você”, explica a advogada. “Outro ponto que alimenta debates é o do legítimo interesse. Há uma série de implicações por trás dele”, avalia.

LGPD - Michelle MorkoskiMichelle: empresas precisam se preparar para a nova lei

Por isso, a LGPD impõe desafios para as redes hoteleiras. E, talvez, o maior deles seja entender como e em quais situações a legislação está sendo infringida. “É uma grande dicotomia para o setor, que precisa conhecer bem o cliente – e dados ajudam muito neste sentido – para melhor atender. Alguns pontos são muito importantes, com destaque para transparência”, ensina Michelle.

Ainda assim, uma coisa é certa: situações de risco e eventuais problemas legais vão acontecer. “Por isso, é fundamental seu hotel estar preparado. Ter rastreabilidade das informações é muito importante, por exemplo. Por isso, monte um banco de dados para, em caso de problemas, seu hotel saber como reagir”, observa Michelle. “Outras medidas vitais são criar um comitê de crise e um plano de contingência”, completa.

“Os dados estão aí e não tem mais volta. A missão da hotelaria é criar processos e treinar bem a equipe para evitar qualquer risco. Além disso, temos que exigir o cumprimento da legislação”, complementa Ana Biselli Aidar. “A questão da abordagem com o cliente também é importante. De posse dos dados, e se o consumidor já consentiu sobre seu uso, é preciso se proteger para evitar problemas. Exemplo: você sabe que o hóspede gosta de pescar. Quando chegar ao hotel, nunca seja afirmativo, prefira ser mais sugestivo. Evite falar ‘sei que você gosta de pesca e temos um kit para você’. Essa declaração é muito mais invasiva do que ‘temos um programa de pesca, o senhor teria interesse?’”, orienta Norberto Gomes.

(*) Crédito da capa: typographyimages /Pixabay

(**) Crédito da foto: Vinicius Medeiros/Hotelier News

(***) Crédito da foto: arquivo pessoal

Comentários