Confiança no setor de serviços registra 3º alta consecutiva em julho, diz FGV

setor de serviços - confiançaNo último trimestre, o setor recuperou 62% das perdas sofridas

A confiança no setor de serviços vem apresentando melhoras consideráveis. Em julho, o indicador registrou sua terceira alta consecutiva e já se recuperou de mais da metade das perdas registradas no auge da crise. Apesar das boas notícias, o caminho para chegar aos níveis pré-pandemia ainda é longo, segundo dados da FGV (Fundação Getulio Vargas).

De acordo com informações da Reuters, o ICS (Índice de Confiança de Serviços) avançou 7,3 pontos em julho, chegando a 79,0 pontos. Em junho, a elevação foi de 11,2 pontos. No último trimestre, o setor recuperou 62% das perdas sofridas no primeiro quadrimestre do ano. Segundo a FGV, o segmento apresentou melhoras na percepção sobre o momento atual e nas expectativas, mas a incerteza sobre o curto prazo permanece.

“(...) o resultado do mês precisa ser analisado com cautela porque ainda há um caminho considerável para voltar ao ritmo anterior à pandemia”, comentou Rodolpho Tobler, economista da FGV Ibre. “As flexibilizações podem contribuir para a melhora da confiança do setor, mas a cautela dos consumidores e a incerteza que se mantém em patamar elevado impedem imaginar um cenário de recuperação robusta do setor no curto prazo.”

Setor de serviços: avaliação dos consumidores

Apesar de o Brasil ocupar o segundo lugar na lista dos países com mais casos de Covid-19, vários centros econômicos importantes, como São Paulo, começaram a flexibilizar medidas de contenção da doença, de modo a ajudar numa retomada econômica.

Segundo a FGV, o IES (Índice de Expectativas), que mede a avaliação dos consumidores sobre o futuro do setor de serviços, cresceu 7,5 pontos, para 87,3 pontos. O IES está agora 11,6 pontos abaixo dos 98,9 pontos registrados em fevereiro, antes do início da pandemia.

Já o ISA-S (Índice de Situação Atual) subiu 7,0 pontos, para 71,0 pontos, recuperando nos últimos três meses 45% da queda registrada entre março e abril.

(*) Crédito da foto: Pilar Olivares/Reuters

 

Comentários