Evento Diversidade na Hotelaria discute inclusão social

Diversidade na Hotelaria- eventoHoteleiros do Hotel Unique e da Accor participaram do evento

Diversidade, em seu significado mais cru, quer dizer pluralidade, diferença, variedade. A palavra que virou conceito, nos últimos anos se tornou um dos assuntos mais abordados em diferentes esferas. Essa foi a temática do debate Diversidade na Hotelaria, promovido hoje (14) pela Morkoski & Associados, com apoio educacional do Senac-SP.

O evento gratuito aconteceu no WeWork JK e contou com a participação de hoteleiros, advogados e empreendedores focados em atender minorias. “Um hotel não é apenas um hotel. Abrange muitos universos em apenas um local”, comentou Michelle Morkoski, advogada, mediadora e sócia da Morkoski & Associados. “Quando olhamos para a questão da diversidade, nos deparamos com muitas nuances. As pessoas não estão se movimentando, a não ser quando de fato existe uma penalização por alguma infração”, acrescentou.

“A intenção deste fórum é trocarmos experiências e levantarmos essas questões”, explica Michelle. Entre os speakers estavam Cintia Ramos, sócia e CMO da Diáspora.Black; Ricardo Ferraroni, consultor da Maturi Jobs; e Clovis Casemiro, coordenador da IGLTA (International Gay & Lesbian Tourism Association) do Brasil. Cada um dos convidados atua em nichos específicos,  expondo o olhar desses públicos em suas falas.

Questões como racismo, homofobia, acessibilidade e recolocação de idosos no mercado de trabalhos foram as principais pautas da roda de conversa. “A luta contra o racismo é de todos. A minha voz chega até alguns ouvidos, as falas de outras pessoas ecoam para outros públicos e, assim, todos contribuem nessa conscientização”, declarou Cintia. A empresária é sócia de uma startup focada em turismo para negros em destino afrocentrados, mas garante que as viagens estão abertas a todos.

Dando ênfase ao debate sobre a participação de profissionais maduros no mercado de trabalho e turismo na terceira idade, Ferraroni lembra como o cenário está em fase de transição. “Estamos vendo o turismo tomar uma forma diferente. Pessoas idosas viajando sozinhas ou levando seus netos”, sinaliza. “Os hotéis precisam se preparar estruturalmente para receber esse público. Apoios nos banheiros, entre outras adaptações, são necessárias”, pontuou.

Diversidade na Hotelaria - evento 2Michelle, Cintia, Casemiro e Ferraroni debateram preconceito e homofobia

Representando o público LGBTQ+, o coordenador da IGLTA ressaltou a expressão de consumo do nicho dentro do mercado de turismo. “O turismo LGBTQ+ no segmento de luxo, por exemplo, representa um corte enorme”, explicou. “Existem transexuais com alto poder aquisitivo viajando para consumir apenas o que há de melhor”, completou.

Casemiro também advertiu a respeito dos cuidados que os turistas homossexuais e transsexuais precisam tomar na hora de viajar. “Dependendo do destino, alguns cuidados precisam ser tomados. A hotelaria, nesse quesito, é fundamental para que o público LGBTQ+ se sinta respeitado e acolhido”, declara.

Diversidade na hotelaria: Meetup

O evento foi o segundo dentro do programa Meetup, idealizado pela Morkoski & Associados. Ontem (13), a roda de conversa debateu as adaptações necessárias no ramo hoteleiro à LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados).
 
Em formato enxuto, para no máximo 24 pessoas, os debates visam provocar o mercado para assuntos pouco discutidos. Segundo Michelle, o conceito é criar uma rede de mentes pensantes para criar soluções dentro da hotelaria. “Estamos aqui para pontuarmos questões. Não pretendemos expandir esses encontros para muitas pessoas”, explicou. “A ideia é ser uma roda de conversa na qual todos possam interagir e se expressar”, finalizou.

(*) Crédito das fotos: Nayara Matteis/Hotelier News

Comentários